twitter youtube facebook linkedin email
Connect with:

Mundo AEC - Blog Oficial sobre AEC da Autodesk Brasil

A empresa Colas S.A. está usando BIM para o planejamento e a construção virtual da ponte Rivière des Galets na Ilha de Reunião, na França. Softwares da Autodesk – incluindo ReCap, Civil 3D, Revit, 3Ds Max, Navisworks e BIM 360 – estão ajudando a empresa e os stakeholders a planejar, coordenar e conduzir melhor a construção.

O Projeto da Ponte Rivière des Galets

O Rivière des Galets da ilha de Reunião é um rio que nasce na face oeste do extinto vulcão Piton des Neiges e corre para o norte do Oceano Índico, ao sul de Le Port, principal porto marítimo da ilha. Ao se aproximar do oceano, o rio cruza a N1, uma das maiores rodovias da ilha e a única autoestrada que conecta suas duas maiores cidades, Saint-Denis e Saint-Paul. Em Le Port, o leito do rio é muito largo (aproximadamente 300 metros), mas normalmente tem somente alguns canais de água corrente. No entanto, durante os ciclones tropicais anuais, que são comuns nessa área, a chuva consegue encher completamente o rio.

Infraestrutura Subdimensionada e Envelhecida

A ponte existente do Rivière des Galets está sendo substituída para ampliar o fluxo de veículos.

Por volta de 70.000 veículos por dia cruzam o rio pelas duas pontes existentes da via N1: uma ponte de concreto de pista dupla levando o tráfico do sul para Saint-Paul e uma ponte metálica levando o tráfico do sentido oposto em direção a Saint-Denis. Essas duas pistas duplas estreitas podem causar grandes backups de tráfico. Além disso, a idade da ponte metálica (construída na década de 1950) representa uma preocupação com a segurança, especialmente durante ciclones, quando a correnteza do rio fica perigosamente mais forte.

A Nova Ponte Sobre Rivière des Galets

Para resolver esses problemas, Reunion Region (a divisão regional administrativa da França que governa a ilha) contratou a Colas para construir uma nova ponte. A estrutura mista de metal de 430 metros está sendo construída entre as duas pontes existentes para manter o tráfico andando durante a construção. A nova ponte terá três pistas em cada sentido, além das vias de pedestre e de bicicleta. Ela será sustentada por quatro pilares com fundações na base rochosa abaixo do sedimento de aluvião do rio. Logo a ponte estando em uso, a existente ponte metálica e seus pilares serão demolidos, assim como os acessos da existente ponte de concreto. O projeto está previsto para término no final de 2020.

A antiga estrutura metálica é uma preocupação com a segurança durante ciclones, quando a correnteza do rio fica perigosamente mais forte

Desafios

Construir a nova ponte entre duas pontes já existentes significa que todas operações devem estar cuidadosamente coordenadas, assim como os deslocamentos físicos e o armazenamento de equipamentos e materiais. Durante a temporada de seca, a construção é acelerada – deixando o deslocamento ainda mais apertado e o espaço físico mais limitado. Além disso, os grandes guindastes necessários para a construção são locados no próprio leito do rio, o que durante a temporada de chuva pode tornar a enxurrada rapidamente violenta. Assim sendo, o fluxo de água de parte do leito deve ser desviado ao longo do processo de construção. Essas condições exigem um planejamento e um sequenciamento da construção precisos ao longo do projeto. Ademais, deve haver uma colaboração estreita entre as várias operações e times de projeto ampliados.

“Esse é o primeiro grande projeto de infraestrutura em BIM da Ilha de Reunião e tem sido um grande sucesso, nos ajudando a superar os muitos desafios relacionados à técnica da ponte e limitações ambientais. Todos participantes do projeto e contratados acolheram totalmente ao BIM porque isso nos deu a habilidade de virtualmente construir antes de construir!”

– Maud Guizol, Gestor da Corporativa BIM, Colas S.A. 

Projeto Baseado em Modelo

Durante todo projeto, a Colas contou com processos BIM e modelos 3D inteligentes. Esses modelos são agora a base para a coordenação do projeto em andamento, colaboração e planejamento da construção. A empresa criou uma série de modelos de projeto específicos da disciplina para o projeto. A ponte em si foi modelada com o Revit, assim como os projetos mecânico, elétrico e de canalização (MEP). A infra-estrutura de terraplanagem, estradas e utilidades foi modelada usando o Civil 3D. Durante o projeto, esses modelos foram combinados em Navisworks para cálculo de custos de projeto multidisciplinar, coordenação e detecção de confronto.

A Colas também usou câmeras fixadas em drones para examinar as condições existentes do leito do rio e o ReCap foi usado para processar esses dados de fotogrametria em uma nuvem de ponto 3D. A nuvem de pontos foi usada para produzir um modelo de terreno digital extremamente preciso no Civil 3D, ajudando a Colas a projetar com mais precisão as fundações dos cais, implementar desvios de água e otimizando o corte e o aterro de terra.

Construção Virtual

Agora em construção, a Colas usa o NavisWorks para vincular os modelos 3D a um cronograma de construção 4D para  planejamento, divisão de fases e simulação de cronograma. Os modelos são constantemente atualizados pelos trades individuais para refletir as atuais situações e mudanças do projeto, levando a uma melhor coordenação e colaboração do projeto. Além disso, a Colas realiza levantamentos fotogramétricos regulares para acompanhar o andamento da construção e detectar mudanças nas condições do leito do rio devido a chuvas — permitindo que a equipe monitore e gerencie melhor a construção e a terraplanagem. Os modelos e outros dados do projeto também são enviados para o BIM 360, apoiando a comunicação de projetos baseados em nuvem e facilitando uma tomada de decisões com mais informações.

Resultados

Os softwares BIM e os modelos 3D digitais já ajudaram a Colas a otimizar seu projeto da nova ponte e produzir um lance de projeto mais preciso. Com a construção em andamento, esses mesmos modelos estão agora permitindo todos os stakeholders do projeto a:

  • Compreender mais plenamente o projeto;
  • Colaborar de forma mais eficiente;
  • Fazer melhores escolhas técnicas;
  • Controlar os riscos;
  • E entregar o projeto de forma mais rentável.

 

Por: Leona Frank | 10/14/2018.
Tradução: Juliana Conde
Post original: http://www.infrastructure-reimagined.com/building-before-building-with-bridge-design/

Juliana Conde

Juliana Conde é estudante de Engenharia Civil na Universidade Presbiteriana Mackenzie, possui experiência na área de urbanismo, atuando na fase de pré-licitação de projetos de parceria público privada de iluminação pública, já tendo contato com softwares de geoprocessamento e agora integra a equipe técnica AEC da Autodesk Brasil. Mais sobre ela, acesse seu perfil do LinkedIn: www.linkedin.com/in/juliana-conde-perfil

0 Comments