Empresa de soluções Light Steel Framing ganha 40% em produtividade usando a metodologia BIM

Há 10 anos no mercado brasileiro, a Smart Sistemas Construtivos é especializada em projetos estruturais para construção a seco utilizando o sistema Light Steel Framing (LSF): estruturas feitas em aço galvanizado. A empresa do Grupo Águia é referência no Brasil, com mais de 300 mil m² projetos elaborados. Além de ser uma das pioneiras no país em maquinários para produção destas estruturas, conta ainda com um catálogo próprio de casas, o Smart Catálogo, que tem venda por sites e totem digital nas lojas Espaço Smart.

Com soluções modernas e práticas, que entregam melhor custo-benefício e rápida implantação, atende clientes que buscam por agilidade, sustentabilidade e inovação. No que diz respeito a elaboração de projetos estruturais, desde 2019, ganhou ainda mais produtividade ao implementar o software BIM Revit da Autodesk para o desenvolvimento dos projetos estruturais.

A empresa passou a usar a tecnologia que, entre outras vantagens, permite maior compatibilidade com outras ferramentas, conectando soluções, a fim de desenvolver a melhor concepção para os seus projetos. Com o Revit foi possível aumentar a produtividade média nas etapas de projeto ao pós-projeto.

“Em relação a 2018, já tivemos um ganho em produtividade dos projetos na média de 30% a 40%. Além de uma comunicação melhor com os clientes, já que a ferramenta tem conectividade com outras utilizadas por eles. Hoje 100% dos projetos da Smart são desenvolvidos em Revit, que garante menor custo para elaboração, assertividade no orçamento e agilidade, gerando uma evolução ao projeto estrutural”, conta Gileade Oliveira, Coordenador de Engenharia da Smart Sistemas Construtivos.

O software ajuda a reduzir o desperdício de recursos, pois permite calcular com maior precisão os materiais a serem usados na obra e o valor do investimento; permite a visualização da estrutura em 3D e modelos inteligentes que ajudam as equipes a antecipar e solucionar problemas ainda na fase do projeto, o que acaba por acelerar a construção; melhora o fluxo de trabalho, possibilitando que todos os colaboradores acompanhem as etapas desde o projeto conceitual à construção e atualizem os dados da obra em tempo real.

Atualmente, a Smart está alisando novos produtos com a Autodesk para aprimorar o uso das soluções de forma completa e cada vez mais integrada. “Para nós, essa parceria reforça a importância da transformação digital como processo primordial para alavancar o desempenho das empresas no ramo da construção civil”, afirma Ricardo Bianca, especialista técnico senior da Autodesk.

Grupo HTB adota Autodesk para modelagem BIM na pré-construção

O Grupo HTB, especializado em serviços de engenharia e construção nos mercados privados de edificações, industrial e de infraestrutura, adotou soluções Autodesk para embasar projetos – desde a pré-construção até a execução – e retroalimentar seu BIM Mandate.

Já em 2013 a empresa estruturou seu primeiro processo de modelagem da informação em construção, em que foi desenvolvida a primeira versão do BIM Mandate da HTB. Na ocasião, treinou profissionais e iniciou o uso dos processos de gestão de dados. No entanto, a modalidade ainda não permeava todas as áreas da companhia. Com o passar dos anos, o desenvolvimento do setor e a necessidade cada vez maior de melhorar a gestão de obras fez com que em 2019 a HTB aumentasse os esforços para adotar BIM de ponta a ponta em seus projetos. Para isso, a companhia apostou em soluções Autodesk, como Revit, Navisworks, Infraworks e Plant 3D.

A HTB adquiriu as licenças da parceira Best Software e vem realizando uma série de treinamentos – presenciais e a distância – para assegurar que todas as áreas da empresa tirem proveito da criação de modelos paramétricos, para assegurar a eficiência da implementação BIM,  otimizando os trabalhos de planejamento, gestão e execução das obras, e consequentemente retroalimentar o BIM Mandate. “Em 2019, estruturamos duas turmas presenciais e uma remota para treinar pessoal de projetos, orçamentos e planejamento. A ideia é que todos os profissionais destas áreas, tanto de escritório quanto de obras, saibam utilizar a ferramenta”, afirma Camila Fachim, coordenadora de projetos da HTB.

 

Atualmente, a empresa utiliza as soluções Autodesk para criar modelos 3D, 4D e até 5D e assim realizar análises detalhadas de pré-construção. Em uma etapa prévia, as informações obtidas a partir da modelagem BIM também são utilizadas para a elaboração de propostas para clientes distintos com forte embasamento técnico e maior precisão na gestão de mão de obra, equipamentos e materiais.

A HTB vem usando as ferramentas Autodesk em diferentes etapas de um projeto ou obra. Por exemplo, para estudar soluções logísticas no canteiro de obras, acompanhar a evolução física da obra, assegurar a compatibilização de projetos e minimizar retrabalhos em campo, entre outros. Na etapa de pré-construção, que é um dos diferenciais da HTB, a empresa envolve os projetistas e arquitetos na elaboração do Plano de Execução BIM de cada projeto. “Conseguimos acompanhar tudo desde o início, fazendo auditorias contínuas para garantir os benefícios da ferramenta na obra”, conta Camila.

 

Hoje a HTB mantém a premissa de criar modelos BIM em toda pré-construção para desenvolver os projetos. “Quando eventualmente entramos no projeto em uma etapa em que isso não é possível, utilizamos alternativas e meios de adotar o BIM pontualmente para melhor avaliar questões específicas da obra. Nesses casos, utilizamos o BIM para fazer análises técnicas junto com equipes de planejamento e gerência das obras”, afirma a coordenadora.

 

Aplicação

A partir da modelagem, a HTB consegue realizar, por exemplo, análises detalhadas do solo. Em um projeto recente, os profissionais selecionaram pontos de sondagem, interpolaram os níveis de cada camada de solo e criaram a morfologia do terreno, identificando onde seria rocha. “A partir daí, foi possível estimar o nível da rocha na parede de contenção, analisamos cada lamela para entender a profundidade real  de cada uma e a necessidade de uso de equipamentos específicos para esta etapa da obra de contenção e escavação. Foi possível estimar onde encontraríamos rocha e em qual nível para tratarmos com o projetista responsável e direcionar as soluções em cada caso, diferente do que estava previsto inicialmente em projeto”, conta Rafael Assis, arquiteto da HTB.

Em outro projeto, a criação de modelo BIM permitiu identificar com antecedência a necessidade de cimbramento da estrutura de concreto de três níveis de lajes de subsolos por um tempo longo, o que impactaria na sequência executiva e no fluxo da obra. A partir da análise do modelo BIM juntamente com o projetista de estrutura foi possível identificar a possibilidade de inclusão de pequenas vigas metálicas de travamento em pontos determinados e a permanência do cimbramento por um período mais curto.

 

Em mais um caso de análise técnica feita durante a pré-construção, o modelo BIM permitiu verificar a interface das contenções e tirantes a executar, com fundações existentes do edifício vizinho. Com base nesse levantamento, a equipe da HTB definiu com o projetista as ações a tomar em campo para execução dos tirantes, em relação a altura e angulação, para evitar interferência nas fundações existentes. Nesse estudo o modelo BIM auxiliou a equipe a planejar a execução com maior precisão, definir equipamentos e mão de obra adequada, e evitar riscos.

 

Além disso, a HTB utiliza as ferramentas Autodesk para criar realidade virtual a partir do modelo BIM para que equipes no canteiro de obras acompanhem a evolução semanal da obra e assim planejem a sua continuidade. Para esta aplicação, o modelo BIM é desenvolvido de acordo com o planejamento da obra, configurado para identificar por cores cada serviço a ser executado, e a partir daí são extraídas as realidades virtuais semanais. “O feedback recebido da equipe de obra confirmou que o uso deste material facilita o entendimento do planejamento e acompanhamento por todos os colaboradores envolvidos”, complementa a colaboradora Fernanda Brito.

 

“Esses são apenas alguns exemplos do uso que a HTB tem feito das ferramentas. Em todos eles o resultado é mais assertividade no planejamento e execução das obras. Os clientes têm identificado benefícios com a análise de pré-construção e durante a execução”, assegura Camila.

 

Benefícios

O uso da análise e modelagem em propostas, na pré-construção e na gestão de obras tem trazido uma série de benefícios não apenas para a HTB, mas para os clientes em geral. Em primeiro lugar porque o uso das informações permite estruturar um BIM cada vez mais completo, sem perda de informações e que pode ser consultado para projetos futuros. “Fazemos um trabalho muito forte de documentação para que nada se perca no futuro.”

 

Adicionalmente, na prática, as análises e mapeamentos baseados em modelos permitem cronogramas mais assertivos, além de um planejamento mais eficiente. “É possível, entre outras coisas, programar locação e uso de máquinas e equipamentos, dimensionar equipes, revisar quantitativos e planejar execuções de forma mais precisa”, enumera a coordenadora de projetos da HTB.

 

Na etapa de elaboração de novas propostas, após o entendimento do projeto, o uso do modelo BIM auxilia as análises técnicas e estudos de alternativas com maior agilidade e precisão, o que em propostas e concorrências, agrega grande valor, além de ser visualmente mais rico.

 

Com todas estas aplicações, a HTB, além de retroalimentar e aperfeiçoar seu BIM Mandate,  vem trabalhando com projetistas e arquitetos cada vez mais capacitados e alinhados com os processos  BIM.

Plataforma Autodesk impulsiona a missão da startup InovaHouse3D

O objetivo da startup InovaHouse3D é poder tonar a manufatura aditiva viável para a indústria, especialmente na construção civil. Sendo a única empresa na América Latina a oferecer esse tipo de serviço, um dos objetivos é revolucionar a forma em que projetos são pensados e executados. Para que fosse viável, a empresa apostou na plataforma de soluções Autodesk, combinando diversas ferramentas que tornarão isso possível.

Fundada em 2015, após inscrever o projeto em uma competição de startups, a InovaHouse3D conta com uma equipe multidisciplinar que alinha conhecimentos em engenharia elétrica, civil, mecânica e química.

O projeto chegou as finais da competição, o que atraiu investimentos para a pesquisa de desenvolvimento de uma impressora apropriada para a impressão de construções complexas e projetos menores, bem como o desenvolvimento de materiais apropriados para isso.

A opção por usar tecnologia Autodesk se deu por conta de um benchmark liderado por uma das fundadoras da startup, Juliana Martinelli. Segundo a empreendedora, a facilidade de conhecimento das ferramentas, disseminada nas universidades, além da flexibilidade de dos produtos fez com que software como o Autodesk Revit, AutoCAD (para projetos) e Fusion 360 (para adaptação em 3D) fossem escolhidos para não apenas criar os projetos de edificações, mas adaptar os arquivos de menor escala que já estão sendo impressos em 3D.

“Atualmente somos prestadores de serviço e atendemos paisagistas, arquitetos e pessoas físicas que queiram imprimir peças de design e decoração. Temos tido muita demanda desse tipo”, afirma Juliana.

O próximo passo é o desenvolvimento de uma impressora 3D que seja capaz de imprimir uma parede inteira por exemplo, e para isso a InovaHouse3D tem usado o Autodesk Inventor, software para manufatura.

“Pela complexidade do projeto, sabemos que a máquina que estamos desenvolvendo precisa de testes, não apenas pelo seu funcionamento, mas de material adequado, uma vez que esse material deve ser flexivel o suficiente para a impressão e resistente para que possa ser usado em uma residência”, completa a empreendedora.

Atualmente a InovaHouse3D já está na terceira versão deste equipamento. O projeto compreende a impressão de uma residência de 32m2 de baixo custo que possa ser doado, por exemplo, para refugiados.

“A tecnologia Autodesk permite que projetos ousados como este se tornem realidade, uma vez que a ampla variedade de ferramentas que oferecemos pode atender diferentes projetos para qualquer tamanho de empresa”, afirma Claudio Pinto, diretor de vendas da Autodesk Brasil.

Startup IM Designs cresce e ganha mercado com parceria Autodesk

Em 2015, o casal Igor Macedo (engenheiro eletricista) e Hannah (arquiteta) mal sabiam que a recém-criada startup IM Designs ganharia visibilidade e a parceria de uma gigante do setor de tecnologia apenas com a postagem de vídeo review veiculado no Youtube.

Na ocasião, a startup mostrou as vantagens e uma nova utilização para o Autodesk Stingray, hoje 3ds Max Interactive, uma ferramenta então recém lançada pela Autodesk, voltada para criação de games e renderização em tempo real. O objetivo era mostrar as novas funções do software, até então usado somente para o desenvolvimento de jogos e, demonstrar também, que poderia ser utilizado para “reduzir o tempo de revisão e pré-avaliação de projetos de arquitetura e engenharia, além de possibilitar ao cliente final uma experiência imersiva em realidade virtual de alto nível.

O review fomentou o interesse da Matriz da Autodesk no Canadá em conhecer mais sobre o trabalho desenvolvido por Igor e possibilitou-o a conhecer a empresa. Com a aproximação com a Autodesk, firmou-se uma parceria importante que ajudou a alavancar os negócios da IM Designs. Além de participar do grupo fechado de beta testers para o desenvolvimento e atualização de softwares da Autodesk, o que possibilitou acesso antecipado a soluções e programas da empresa.

‘’Ajudamos a melhorar e construir novos softwares e eles nos ajudam a aprimorar nossos projetos”, diz Igor Macedo, CTO da IM Designs.

Com isso, a startup passou a investir fortemente em soluções de realidade virtual – com o desenvolvimento de tecnologias e ferramentas em 3D, que tornaram possível criar projetos de renderização em tempo real, VR-ready (realidade virtual) com mais eficiência a partir de programas de arquitetura e engenharia como o Autodesk Revit. A indústria de arquitetura e construção gasta horas de processamento para produzir imagens realistas dos seus projetos, com a utilização da renderização em tempo real, a IM Designs desenvolve experiências interativas utilizando técnicas de computação gráfica para viabilizar que o projeto cuja imagem demorava horas para ser produzida, agora possa ser processada até 90 vezes por segundo numa experiência interativa de realidade virtual.

De acordo com eles, o uso de softwares como o 3ds Max Interactive foi essencial para transformar a ideia em uma possibilidade concreta de negócio.

Atualmente, a startup tem em seu portfólio mais de 5 projetos ambiciosos em andamento, proporcionando um crescimento de ticket médio dos serviços na casa dos 3 dígitos. “A implementação de novas tecnologias em uma empresa pode ser difícil, especialmente se não conseguimos passar e visualizar de forma clara os benefícios que ela pode fornecer. Hoje, as soluções e tecnologias estão mais fortes e potentes do que nunca, permitindo que arquitetos, engenheiros e cientistas visualizem, interajam e revejam seus projetos como se estivessem terminados”, continua Ricardo Macedo CEO da IM Designs.

Atualmente, existem poucas opções de soluções em VR voltadas para empresas, no mundo. A IM Designs é uma das pioneiras no desenvolvimento de soluções de altíssima qualidade. “Fazemos tecnologia imersiva para qualquer área atualmente. Aliamos nossa expertise e conhecimento aos diversos softwares e sistemas disponíveis, e com isso conseguimos chegar de forma tangível e acessível para as empresas”, continua Igor.

Além dessa frente, a IM Designs é um forte parceiro da Autodesk, tanto na fase Beta de novas soluções, quanto no desenvolvimento de templates de softwares importantes, como Revit e Rrevit Live, inclusive com a participação como palestrante no evento mais importante do ano, realizado no final de 2017 em Las Vegas, o Autodesk University.

 

“A empresa é nossa parceira desde o início, mais do que acreditar no nosso trabalho e ideias, eles continuam nos incentivando para que a gente consiga ir muito mais longe. Outro ponto muito positivo para nós é a troca de informações e ideias – eles estão sempre um passo à frente de tudo”, conclui Macedo.

Autodesk preserva Museu Imperial com Tecnologia

Se você acompanha nossas redes sociais deve ter visto que esta semana estivemos no Museu Imperial.

Vocês já estiveram lá? Era a antiga residência de verão da família imperial brasileira. Fica em Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro. Aqui nesse link você pode saber mais sobre o Museu.

O Museu bateu recorde de visitação nas últimas férias, recebendo mais de 2500 visitantes POR DIA!

O Museu Imperial possui o principal acervo do país relativo ao império brasileiro, em especial o chamado Segundo Reinado, período governado por D. Pedro II. São cerca de 300 mil itens museológicos, arquivísticos e bibliográficos à disposição de pesquisadores e demais interessados em conhecer um pouco mais sobre o tema.

Um acervo desses tem que ser preservado. Então, uma equipe nossa em parceria com a Leica Geosystems, Drone Imperial e Realize Tecnologia, iniciou um projeto para preservar digitalmente o Museu Imperial.

Museu – Drone

A Autodesk está liderando uma iniciativa pioneira nesse lugar que aparece no vídeo. Vocês sabem aonde é? Vamos contar tudo em breve e ao vivo!

Posted by Autodesk on Monday, August 7, 2017

O objetivo do projeto é captar imagens da edificação tanto internamente quanto externamente, considerando todo o entorno do museu, com o máximo de detalhamento possível.

Com isso será possível gerenciar melhor questões de preservação do Palácio, bem como criar novas experiências para os visitantes. Quanto à preservação, será possível ter dados detalhados que podem, por exemplo, calcular com precisão a quantidade de tinta necessária para preservar a pintura do local. Quanto à experiência, as imagens captadas podem gerar uma experiência em realidade virtual, visitas virtuais, maquete em 3D, entre outras iniciativas.

O projeto deve ser concluído em aproximadamente 3 meses e decorre nas seguintes etapas:

Drone Imperial e Realize Tecnologia : fizeram toda a captação das imagens exteriores por meio de drones que mapearam o palácio e os seus arredores, considerando detalhes do terreno. E a Realize gerou a Nuvem de pontos no Autodesk Recap.

Leica Geosystems: produziu o escaneamento a laser do exterior e interior do prédio com todos os detalhes contidos no mesmo. Esta etapa foi feita durante nossa visitação

Autodesk: Por meio dos softwares Autodesk Recap e Autodesk Infraworks, fará todo o tratamento das imagens externas do Museu e seu entorno apresentando a Nuvem de Ponto posicionada no terreno, e vai gerar uma parte do projeto de arquitetura do prédio em BIM, com os softwares Autodesk Revit, Autodesk Revit Live, Autodesk Navisworks, Autodesk 3dsmax e Autodesk Stingray para criar um ambiente de navegação virtual com interatividade. Estes materiais serão entregues para o Museu para fazerem parte do seu acervo.

Quando o projeto for concluído contaremos tudo para vocês aqui no blog. Aguardem!