twitter youtube facebook linkedin email
Connect with:

Mundo AEC - Blog Oficial sobre AEC da Autodesk Brasil

RGB – Desenvolvimento de Projeto utilizando BIM e Visualização 4D

Equipe de engenharia se apoia na tecnologia BIM e VDC para reduzir riscos de projetos


O Grupo Robert Bird ganhou reputação por sua aplicação de conhecimentos no ramo da engenharia civil, por apoiar o processo de construção dos maiores e mais complexos projetos do mundo, incluindo instalações avançadas de engenharia, estádios e aeroportos. A RBG cria ambientes virtuais com as ferramentas fornecidas na Coleção AEC para comunicar soluções logísticas avançadas e validar abordagens de projetos, garantindo segurança para seus clientes e equipes de projetos.

 Foto: Grupo Robert Bird.

Soluções Criativas para Projetos Complexos


Como uma indústria que depende da precisão do projeto para a construção, é necessário a utilização da coordenação precisa de informações, desde o projeto até a execução . A pandemia causada pela COVID-19 tem sido um desafio para todos, mas felizmente, mitigar a incerteza não é novidade para a indústria AEC. Estamos equipados com ferramentas e tecnologias amplamente disponíveis que nos ajudam a nos adaptar às mudanças e validar ideias, proporcionando aos proprietários de projetos e equipes, confiança no sucesso das soluções propostas.

Um exemplo que traz o uso da tecnologia em benefício de seus clientes é a Robert Bird Group (RBG), é uma empresa internacional de engenharia com mais de 600 funcionários, focada em engenharia estrutural, responsável por alguns dos maiores e mais complexos projetos do mundo. A RBG utiliza o poder do Building Information modeling (BIM) e Virtual Design Construction (VDC) para mostrar o valor aos seus clientes .

“Para nós, o VDC é realmente sobre dar ao cliente uma visão dos riscos que ele pode enfrentar. Isso nos ajuda a comunicar nossas metodologias e propostas para mitigar esses riscos”, diz Paul Mullett, diretor de tecnologia de engenharia da RBG.

 Sydney, Austrália. Foto: Grupo Robert Bird.

Avaliação de risco com BIM e VDC


Com o ideal de que os projetos sejam “projetados para a entrega”, a RBG encontra um enorme valor no BIM e no VDC para informar sua abordagem de Sistemas de Metodologia de Construção (como o CMES), ajudando seus clientes a gerenciar riscos e garantindo uma transição perfeita da visão dos projetistas para a realidade.

As ferramentas fornecidas na Coleção AEC — Incluem RevitNavisworks, 3ds Max e AutoCAD — permitem que a equipe da RBG sequencie virtualmente a coordenação e a construção de estruturas permanentes e estruturas de obras temporárias associadas, fornecendo um “Ensaio de Construção Digital” antes que algo aconteça no local. “Usamos processos BIM e VDC para mostrar aos clientes nossas propostas”, diz Mullett. “Podemos praticamente mostrar à equipe o processo de como nossas soluções de engenharia propostas realmente funcionariam.

Construção típica de conchas de telhado retratada em AAMI Park, Melbourne, Austrália. Foto: Grupo Robert Bird.

Visualizando Desafios e logísticas


Para o novo Edifício de Aprendizagem e Ensino Biomédico no movimentado campus clayton (Austrália) da Universidade Monash, a equipe do projeto usou o VDC para mostrar o projeto de obras temporárias e a logística detalhada do local para apoiar a construção de um espaço biomédico, em que servirá para aprendizagem. O projeto possui aproximadamente 11.400 metros quadrados de salas de aula, contendo “Laboratórios Multifuncionais” para apoiar ambientes de aprendizagem adaptáveis.

A visualização ajudou a comunicar como o trabalho temporário e o posicionamento dos equipamentos podem afetar o acesso ao campus. Isso proporcionou aos clientes e aos empreiteiros uma compreensão do que era necessário no local, desde áreas que não eram utilizadas até o zoneamento da construção, garantindo o acesso a outros edifícios universitários durante a construção, melhorando a segurança geral no local.

“Conseguimos mostrar ao cliente nossa metodologia de construção e fornecer logística detalhada do local. Isso garantiu que o tráfego de obras não impedisse o acesso público, pedestre e veicular neste campus movimentado e ativo.”

Stephen Lester, Gerente de Projeto Virtual & Construção em Robert Bird Group. Austrália, Nova Zelândia e Ásia.

 

Agregando Valor ao Processo de Projeto informado – Sequências de Construção


Projetos que envolvem trabalhar em campo e instalações ativas, são particularmente desafiadores, de acordo com Lester. Adicione os desafios dos requisitos regulatórios, a atividade próxima no solo e no ar, e a necessidade de garantir nenhuma interrupção nas operações em andamento. Esses tipos de projetos exigiriam esforços complexos de coordenação e sequenciamento.

Um projeto recente, grande e complexo, concluído pelo Robert Bird Group no Oriente Médio, incorporou todos esses desafios, exigindo o desenvolvimento de uma metodologia de construção detalhada e sequenciamento  na Construção (CMES), assim como o desenho de obras temporárias de apoio à estrutura permanente.

O conhecimento da RBG sobre o VDC e as ferramentas fornecidas na Coleção AEC da Autodesk ajudaram a manter o projeto nos trilhos, verificando que a solução proposta permitiria que o trabalho continuasse na estrutura permanente, mitigando um cronograma que já estava sob imensa pressão.

Ao criar uma simulação de construção 4D do CMES, utilizando o Navisworks para detecção e coordenação de inconformidades, juntamente com Rotinas do Dynamo, para automação de tarefas de projeto. “A equipe poderia experimentar o processo de onde estariam as obras temporárias, observar as peças sendo colocadas no lugar, com uma clara compreensão da escala e para onde os equipamentos iriam, ou onde poderia impedir o progresso “, diz Mullett.

A Visualização do modelo digital passa confiança ao cliente ao assinar um contrato para a construção, liberando a equipe de projeto a continuar seu uso de BIM e VDC através da jornada do próprio processo, com Revit, Navisworks e 3ds Max.

A coordenação precisa de elementos, como obras estruturais e a utilização do MEP, é fundamental para as equipes de construção. A RBG usa o Revit e o Navisworks para coordenar projetos multidisciplinares e realizar a detecção de inconformidades para quaisquer elementos que não se encaixem. Esta análise é um passo fundamental para garantir a construção de projetos e evitar o retrabalho no campo e determinar quais componentes precisam ser construídos com antecedência antes de serem instalados no local.

Um dos desafios mais demorados para esses projetos altamente complexos é que eles são muitas vezes projetados com falta de repetição e exigem detalhamento, fabricação e instalação de elementos geométricos únicos. Gerar a documentação de construção desses elementos normalmente exigiria uma compilação manual de múltiplas iterações dos modelos Revit, desperdiçando incontáveis horas . A equipe da RBG criou uma solução criativa para este problema, realizando rotinas de análises utilizando o Dynamo.

“Em um projeto recente, procuramos o Dynamo para automatizar a produção da documentação”, diz Mullett. “Nós puxaríamos modelos de análise de engenharia para o Revit e usaríamos um processo interno de rotina,que a RBG desenvolveu usando o Dynamo para empurrá-los automaticamente para a documentação.” A RBG automatizou ainda mais o processo usando o 3ds Max para executar sequências com base nos requisitos do projeto. “Conseguimos incorporar todos os processos em todas as etapas utilizando o BIM como centro”, diz. A economia de tempo nos processos beneficiou toda a equipe, encurtando o tempo geral de projeto e permitindo colaboração e coordenação através de equipes de projeto e construção, e uma rápida reviravolta de quaisquer mudanças necessárias.

“Para nós, é tudo sobre construção. Aplicamos todo o conjunto de ferramentas da autodesk (BIM) , não apenas para coordenação entre todos os membros da equipe, incluindo arquitetos, engenheiros e empreiteiros de comércio especializado, mas também para documentação e renderização de iterações.”

Paul Mullett, Diretor de Tecnologia de Engenharia do Grupo Robert Bird

Benefícios da Metodologia


A RBG também usou simulação e visualização 4D para a fabricação da concha do telhado do Parque AAMI, com capacidade até 30.050 espectadores em Melbourne. O teto leve  exigia apenas cerca de metade do aço que normalmente é utilizado . No entanto, o telhado não conseguiu suportar seu próprio peso até que o suporte estrutural final fosse instalado. Os esforços de simulação da equipe confirmaram as dimensões do envelope e comunicaram claramente detalhes sobre o acesso ao local e a logística, os locais dos equipamentos e guindastes, as obras temporárias, assim como a sustentação de cada concha que compreende a estrutura do telhado.

A simulação também contribuiu para uma economia considerável de tempo em todo o projeto. Durante a fase de projeto e planejamento, as simulações reduziram a quantidade de documentação necessária e economizaram tempo de desenvolvimento durante a análise de transporte do telhado, permitindo uma tomada de decisão mais rápida em locais que, necessitavam fabricar cada um dos segmentos do telhado.

A RBG também usou a visualização para estabelecer sequências de fabricação adequadas para a instalação e  entrega “No tempo” da instalação dos elementos fabricados para o local. O resultado foi uma economia significativa de custos e cronogramas, devido à eficiência do transporte e à mitigação dos riscos de segurança no local. “Visualizações e simulações usando modelos digitais 3D, permitiram que a equipe entendesse os processos de trabalho, entendesse a escala e ‘visse’ a execução do projeto, o que não é possível com desenhos tradicionais”, diz Lester

Metodologia de construção do AAMI Park. Imagem: Grupo Robert Bird.

O que vem depois?


A equipe da RBG está animada em aproveitar os avanços do software VDC para criar modelos de simulação interativos e imersivos.

Usando a Plataforma de Motores de Jogos Unity em conjunto com o conjunto completo de produtos abertos e interoperáveis da Autodesk, a RBG foi capaz de lançar RBG REVEAL. Esta plataforma proprietária e interna permite que os atores do projeto experimentem virtualmente, interajam e colaborem os ativos modelados que estejam concluídos ou em construção.

“O que evoluiu de nossa experiência de VDC é o uso de todo o conjunto de ferramentas para resolver os problemas de forma holística”, diz Mullett. “Está mudando a forma como trabalhamos. Trata-se agora de desenvolver esses fluxos de trabalho e proporcionar aos nossos clientes experiências interativas. BIM e VDC estão transformando a forma como nos comunicamos e projetamos na construção civil.”

 

Vinicius Almeida Barros

Vinicius Barros é estudante de Arquitetura e Urbanismo na Universidade Paulista-UNIP, possui contato com softwares de modelagem BIM e renderizações e integra a equipe técnica AEC da Autodesk Brasil. Mais sobre, acesse seu perfil do Linkedln: https://www.linkedin.com/in/vinicius-barros-b53a58172

0 Comments

'