twitter youtube facebook linkedin email
Connect with:

Mundo AEC - Blog Oficial sobre AEC da Autodesk Brasil

Uma questão de um usuário sobre o Infraworks 360 – “Para o que realmente serve?”

Gustavo Paula
19/08/2016

stpaul7

 

De volta em Abril, eu recebi um e-mail muito sincero e perspicaz do Sr. Jeremy Matthei, um Engenheiro projetista sênior na Midwestern Consulting. Em poucas palavras, Jeremy queria saber isto sobre InfraWorks 360, e eu cito: “Para o que isto realmente serve?” Ele articulou a pergunta de modo que me fez pensar, se uma porção de membros da Autodesk da área de civil, não estão se perguntando a mesma coisa de diferentes maneiras. Eu forneci ao Sr. Matthei minha melhor resposta via e-mail e enquanto eu escrevia a resposta, eu não conseguia ajudar, porque só pensava que essa discussão daria um grande artigo no blog. Eu perguntei ao Sr. Matthei se eu poderia compartilhar essa discussão e ele concordou. Meu plano era basicamente reescrever a história e citar partes de nossa discussão.

Isso me custou alguns meses, mas finalmente eu achei um pequeno tempo para começar a escrever este artigo. Depois de ler a questão do Sr. Matthei e minha resposta, eu acho que não há necessidade de reescrever – a discussão fala por si própria.

Segue-se o e-mail do Sr. Matthei, sem edição:

Olá Eric:

Eu tenho lido seus posts, e os do Bobby del Rosario, no Blog da Autodesk sobre o novo Infraworks e Civil 3D. E eu tenho uma pergunta: Como alguém deveria usar o Infraworks como anunciado? Para o que realmente serve?

Por tudo o que eu já vi, o Infraworks é usado principalmente numa fase inicial para visualizar um layout numa fase futura, Incapaz de detalhes, e incapaz de documentos de contrato. No entanto, ele está ganhando cálculos de distanciamento de boca de lobo e caixas da água em estradas, e também outras capacidades avançadas isoladas, mas estes não parecem se encaixar com as principais capacidades. Ele também é incapaz de gráficos em alta qualidade os quais o 3DS ou Photoshop seriam os principais programas.

Assim, o Civil 3D tem a capacidade para mais detalhes no projeto, preparação de documento de contrato, embora muitas das novas tarefas estão sendo colocados para isso no Infraworks —o que exigiria grande importação e exportação para a função. Complica-se mais quando pensamos na representação do projeto no Revit que é uma das grandes solicitações de todos usar alguns objetos do Civil 3D, como guias, calçada e estradas fora de corredores, já que mesmo com o Site Designer isto não é subdesenvolvido dentro do Revit, e você não pode cortar perfis, não em linha reta, ou fazer exageros como no Revit, também.

Através do post do blog da Autodesk na segunda-feira, eu entendi o seguinte:

AutoCAD Civil 3D 2017 ajuda a linha do legado do 2D ou a automação de processos de software de projetos tradicionais, centraliza a gestão do desenho e projetos padrões, a melhor se integrar com Autodesk Infraworks 360.

Infraworks 360 é a plataforma BIM da Autodesk que permite parâmetros de base modelos planejando e criando uma infraestrutura civil no contexto do mundo real.

Agora substituir o software é legal, e bom. Isto acontece todo o tempo. Mas se Civil 3D é “o legado”, o que é o substituto? Até onde eu sei, você não pode detalhar o projetos ou gerar documentação no Infraworks ou no Revit Site Designer. Ou isto é possível agora?

 

Obrigado,

Jeremy A. Matthei, PE.

 

E aqui está minha resposta, novamente… na integra:

Olá Jeremy,

Obrigado por me fazer essa pergunta – É uma importante questão para ser respospondida, e é  uma das quais eu me perguntei a alguns anos atrás quando o produto chamava-se Autodesk Infrastructure Modeler.

Infraworks 360 é muito útil para uma engenharia preliminar, num ambiente visual onde as ideias e resultados podem facilmente se comunicar. É, também, ótimo ao criar contexto no qual ideias de projetos podem ser comunicadas. Isto é muito útil para a parte do pré-projeto onde o desenho do projeto pode mudar rapidamente e precisa ser comunicado frequentemente e prontamente. Uma vez que o desenho “estabelece-se” e a equipe do projeto e partes interessadas têm uma ideia mais clara das diretrizes que seguirão, o projeto pode então ir para o Civil 3D para o detalhamento de desenho e documentação. Claro, nenhum projeto é  simples assim, ou linear, logo sempre haverá uma iteração de poder ir e voltar ou usar o mesmo produto para um propósito especial que não foi encontrado em projetos anteriores.

Com o passar do tempo você deve ter visto o produto evoluir de modo que é capaz de lidar com mais detalhes e mais tarefas de engenharia. Uma dessas capacidades foram facilmente realizados agora (como cálculos de bocas de lobo e caixas d’água) logo eles parecem um pouco fora do lugar no estado atual do produto. Quanto o alto nível de visualização num esforço para manter o produto simples e fácil para usar, as ferramentas de visualização também são simplificadas. Por exemplo, o sistema de luzes consiste em uma única fonte (o sol). Se possibilitarmos, fontes de luz configuráveis individuais, seria necessário acrescentar uma quantidade considerável de sofisticação para o programa. Nós não queremos que os usuários do Infraworks 360 precisem ser especialistas em visualização para ter um rendering decente.

Com o uso de Legado, Eu não acredito na declaração que você destacou referia-se ao Civil 3D como um legado, na verdade ela refere-se a uma cadeia que tem o 2D como um legado.  Civil 3D não é um programa “que acabou”, e estamos plenamente empenhados em continuar o seu desenvolvimento como uma corrente, um produto de ponta. O Infraworks 360 não é e não será um substituto para o Civil 3D. Os dois são interativos para trabalharem juntos e se completarem, coisa que eu acredito que eles façam muito bem quando cada um é usado como esperado.

Assim, para um design detalhado há certas ferramentas que você pode executar de forma bastante detalhada no Infrawork 360. Por exemplo, projeto de estrada tem um pouco mais de funcionalidades e se você notar o que nós estamos fazendo com os Componentes de Estrada (pré-visualização), você irá notar que há muito mais por vir. Por outro lado, projetos de implantação (como você pontuou) tem funcionalidade suficiente para fazer somente um layout grosseiro e classificação. Conforme o tempo passa, você verá a evolução de mais ferramentas de projeto no Infraworks 360 até encontrarem, e eventualmente exceder, onde nós estamos com o projeto de rodovias nos softwares atualmente. Por agora, usando projeto de implantação como exemplo novamente, você irá passar para o Civil 3D mais rápido em projetos de implantação do que em projetos de rodovia, onde as ferramentas do InfraWorks 360 podem te levar mais longe.

 Eu espero que isso esclareça as coisas para você. Um dos nossos maiores desafios é ajudar nossos consumidores a entenderem onde infraWorks 360 “se encaixa”. As pessoas supõem que o Infraworks 360 é um substituto para o Civil 3D e logo eles querem largar o Civil 3D desse conjunto e colocar o Infraworks no lugar. O Infraworks 360 não é o Civil 3D – Ele é realmente isto: que faz algo que outros produtos não fazem. Não é um substituto de outro. É como um tablet, ele não é um celular grande, ou um laptop pequeno, ele é a perfeita intersecção de portabilidade, poder, e tamanho de tela, ele é um tablet; O Infraworks 360 é a perfeita intersecção de projeto, visual, comunicação, e análise, ele é o InfraWorks 360.

Me avise o que você achou e sua reação a essa resposta. Eu gostaria de publicar uma versão desta questão e responde-la em um dos nossos blogs. Me avise o que você acha sobre isso também.

Obrigado!

Eric Chappell
Civil Community Evangelist

Se você tem perguntas sobre a proposta do InfraWorks 360 priorize ler este artigo, eu espero que a discussão entre Jeremy e eu tenha sido de ajuda e esclarecedor para você. Eu quero publicamente agradecer ao Sr. Matthei por fazer esta questão de modo inteligente, aberto, e de maneira construtiva.

 

Post traduzido do site: http://bimontherocks.com/infraworks-360-whats-it-really-for/

 

Gustavo Paula

Estagiário da equipe técnica AEC da Autodesk Brasil, estudante de Engenharia Civil na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Antes de estagiar na Autodesk, trabalhou em obra, de um projeto residêncial, acompanhando as etapas e recursos necessários para condução dos trabalhos da equipe de obra.

0 Comments

'